domingo, 23 de agosto de 2009

O HIDRO MOTOR SALVIANO

Numa das folhas do Jornal Tribuna do Planalto datado de 06 de setembro de 2007, lê-se o seguinte: Pouca gente sabe, mas a invenção do rádio, da televisão e do telefone sem fio teve a contribuição fundamental de um brasileiro. Foi o padre Roberto Landell de Moura, um gaúcho de Porto Alegre, que realizou a primeira radiotransmissão registrada na história. Isso significa que ele foi o primeiro a conseguir a façanha de transmitir ondas sem o auxílio de fios, entre dois pontos distintos. O feito aconteceu em São Paulo, entre um ponto elevado da Avenida Paulista e o morro de Sant'Ana.Padre Landell, no entanto, figura na história não-oficial da invenção de aparelhos de transmissão por ondas. Isto porque, mesmo tendo feito experiências bem-sucedidas antes de qualquer outro cientista, foi um italiano – Guglielmo Marconi – quem patenteou o primeiro invento do tipo. Em 1896, Marconi registra a descoberta o telégrafo sem fio.
A genialidade de Landell, entretanto, não ficou apagada. Em 1901, o brasileiro registrou a patente de um aparelho destinado à transmissão fonética à distância, com ou sem fio, através do espaço, da terra e da água. Em seus estudos nos Estados Unidos, conseguiu outras três patentes: transmissor de ondas, telefone sem fio e telégrafo sem fio, todas em 1904. No mesmo ano ele faz descobertas decisivas na transmissão de imagens à distância, o que viria a culminar mais tarde na invenção da televisão.
A Idade Média já havia ficado para trás, mas mesmo assim Padre Landell sofreu perseguições de grupos católicos que o consideravam herege. A população de São Paulo, onde ele realizava seus experimentos, não admitia seu envolvimento com o mundo científico. Acusavam-no de trabalhar com forças malignas e, certa vez, chegaram a destruir os aparelhos de seu laboratório. Mesmo assim, o cientista não admitia tons supersticiosos nas idéias e teorias que formulava.Até mesmo no gabinete presidencial houve muito preconceito às idéias de Landell. Durante a conversa com o secretário do presidente, o cientista comentou que, no futuro, sua invenção seria usada para transmitir mensagens entre naves situadas em planetas diferentes. O secretário tratou de dispensar o padre e, ao presidente, limitou-se a escrever um bilhete dizendo que o inventor era ‘louco’.
Talvez você esteja se perguntando o “Por que” desse texto em “Trilhas de Areia”. Mas, é exatamente por que um outro texto produzidos por “Tendência” da Prefeitura Municipal de Areia, fala do “HIDRO – MOTOR SALVIANO”, texto que me chamou bastante atenção e ao mesmo tempo deixou-me um tanto indignada.
O texto fala de um areiense, Antonio Salviano de Figueiredo criador de um aparelho que revolucionou o mundo da mecânica no país. Após 10 anos de trabalho perseverante, sem os recursos da moderna tecnologia, Antonio Salviano, apresentou seu Hidro-Motor, cujo objetivo era o aproveitamento das ondas do mar. Era de fato uma conquista admirável do gênio, da capacidade de investigação e estudo, de um homem que arrastou todas as dificuldades, inclusive a indiferença do meio em que viveu. O princípio de seu invento era a transformação do movimento oscilatório das ondas em movimento rotatório, sempre no mesmo sentido.O Hidro – Motor Salviano foi levado para o Rio de Janeiro onde as experiências realizadas alcançaram sucesso chegando mesmo a interessar ao Governo Federal sua utilização. Entretanto esse entusiasmo teve pouca duração e logo, por falta de apoio dos poderes públicos, o notável invento foi relegado ao esquecimento.
Gente! Pelo amor de Deus, confesso que este texto, me deixou triste. É inadimissível que uma terra de tantos homens ilustres tenha permitido que um caso dessa natureza acontecesse.
Voltemos agora para o caso do Padre Landell. Ainda na mesma folha "Jornal Tribuna do Plananto", lê-se que, embora faltasse incentivo financeiro para os inventos do Padre Landell, algumas de suas descobertas foram colocadas em prática. Em 1905, a Marinha de Guerra do Brasil realizou experiências com a telegrafia na embarcação Aquidabã. Foram usados aparelhos patenteados no Brasil em 1901 e nos Estados Unidos em 1904. Além disso, Padre Landell é reconhecido hoje como o patrono dos radioamadores brasileiros, por ter sido o primeiro a realizar este tipo de transmissão.
Todo o brilhantismo do cientista brasileiro foi relegado à crueldade da História, que o fez cair no esquecimento. Talvez por isso ele tenha se desmotivado e decidido dedicar-se exclusivamente à vida religiosa. Em 1908 ele volta a Porto Alegre para dirigir as paróquias do Menino Deus, da Glória e Nossa Senhora do Rosário. Em 1927, foi elevado a Monsenhor pelo Vaticano. Morreu um ano depois, no anonimato, e sua obra até hoje é pouco conhecida.
Ironicamente, em Portugal existe uma fundação educacional com o seu nome, dirigida pelo radioamador Arnaldo Nascimento. Em 1982, em comemoração aos 482 anos da primeira missa rezada no Brasil, à época do descobrimento, Nascimento transmitiu os agradecimentos, via rádio, àquele que possibilitou que sua mensagem fosse ouvida hoje pelos quatro cantos do mundo.
Menos mal, não é mesmo? O caso, "HIDRO – MOTOR SALVIANO”, foi muito pior.

Um comentário:

Alves disse...

E triste realmente a falta de apoio dos poderes públicos,relegar para sempre ao esquecimento a criação fantastica desse nobre paraibano de nossa terrinha (AREIA).
ANTONIO SALVIANO DE FIGUEIREDO,ficou enclausurado no seu casarão do bêco do Jorge em Areia durante dez anos,até concretizar o sonho que sempre o animara, ver pronto a sua obra, o HIDRO-MOTOR que era na verdade uma conquista admiravel do gênio,da capacidade de investigação e estudo deste homem que não se deixou abater pela indiferença do meio em que viveu. E uma pena mesmo!