quinta-feira, 13 de agosto de 2009

FESTAS RELIGIOSAS

Com a duração de três ou quatro e sob o comando do Padre Letício, a festa do Rosário se destacava pela animação de suas quermesses compostas por duas alas concorrentes Havaianas e Mexicanas. A festa era em prol da igrejinha em homenagem a Nossa Senhora do Rosário, mas, na realidade, seu rendimento nunca era o esperado tendo em vista a esperta clientela que com o intuito de obter vantagens no pagamento das contas, usavam o subterfúgio de namorarem as garçonetes, o que resultava sempre em déficit financeiro.

Havia ainda a festa da padroeira de Areia, Nossa Senhora da Conceição, sob o comando do Padre Ruy Vieira abrilhantada pela conhecida filarmônica Abdon Milanêz Filho e regida pelo mestre Antonio Paulo.

A festa era composta por um pavilhão central com muitas mesas, onde as famílias areienses se reuniam todas as noites, durante todo o festejo. Havia ainda outras barracas de “cachorro quente”, parques de diversões, leilões, eleição da rainha da festa, passeio de “quem me quer” e várias outras atrações, a exemplo do irreverente jornalzinho “O Chicote”.

Um comentário:

Alves disse...

EXCELENTE SEU RELATO NOSTALGICO SOBRE A FESTA DO ROSARIO. FECHO OS OLHOS E VIAJO AQUELE TEMPO, E REVEJO AS BENGALINHAS ENFEITADAS SENDO ARREBATADAS DAS NOSSAS MÃOS POR ALGUMA GAROTA NO MEIO DO PASSEIO QUE IA DA IGREJA ATE ARUA DO TEATRO, E SE ELA FICASSE COM A BENGALA DALI PODERIA INCIAR UM NAMORO. EXISTIA AINDA O ENVIO DE BILHETES, SE A GAROTA FOSSE DO NOSSO INTERESSE RESPOSTAVAMOS.