domingo, 16 de agosto de 2009

O CASO FANTÁSTICO DE JOCA FREIRE


Bastante conhecido em Areia, seu Joça Freire, era um homem simples, costumes moderados e um exemplar chefe de família. Por muitos e muitos anos, foi administrador do Engenho Mundo Novo de propriedade do Senhor Cunha Lima Filho, grande líder político em toda região do Brejo Paraibano.

Ao deixar a administração do Engenho Mundo Novo, seu Joca fixa residência definitiva na cidade e se dedica ao cultivo da agricultura, em especial ao plantio de bananas, onde por muito tempo tirou o sustento de sua família.

Físicamente, seu Joca, era uma pessoa normal. No entanto, tinha ele uma anomalia de conhecimento restrito a sua família e pessoas mais próximas, que talvez o diferenciasse do resto do mundo. Seu Joca escutava por todas as partes superficiais do seu corpo. Isto era tão notável que ele evitava se aproximar dos sistemas sonoros de alta potência, pois sua sensibilidade auditiva era tanta, que o deixava totalmente incomodado.

Essa incomum característica de seu Joca, o levou por duas vezes à televisão, em cadeia nacional, sendo uma delas como participante da equipe campinense que disputava contra a cidade paulistana de Peruíbe, no programa do animador Silvio Santos, “Cidade contra Cidade”, no ano de 1980. Nessa ocasião, Seu Joca, diante das câmaras, para todo o Brasil, atendeu um telefonema do apresentador, apoiando o telefone na sola do pé, por onde se comunicou durante muito tempo, recebendo mensagens e respondendo todas as perguntas com incrível desembaraço.

5 comentários:

fatima disse...

Mas como esquecer Joca Freire, recebendo os ingressos do "cinema", que funcionava no teatro Minerva...era pequena, mas ficou na lembrança.

marcos disse...

eu tambem conheci joca freire.....
eu morava na rua monsenhor walfredo leal proximo a fundação sesp;;;;
hoje moro em curitiba comento sobre ele e ninguem acredita em mim ..pena nao encontrar nenhum video para provar

Unknown disse...

Lembro dele onde presenciei ele na padaria pagando a mercadoria no tempo quem estava no csixa era a Zefinha e para ele escutar ela ele levava a mão proximo a moça para escuta-la. Nesse momento observei que as orelhas dele era totalmente fechadas

Unknown disse...

Lembro dele onde presenciei ele na padaria pagando a mercadoria no tempo quem estava no csixa era a Zefinha e para ele escutar ela ele levava a mão proximo a moça para escuta-la. Nesse momento observei que as orelhas dele era totalmente fechadas

ALDYR GONÇALVES disse...

Também tive o êxtase de, ainda pequenino, em Areia, onde nasci, presenciar cenas que atestavam esse fenômeno Joca Freire. Nunca vou esquecer quando passei, criança, na calçada de sua casa e o vi à janela, oportunidade em que curiosamente constatei o que diziam sobre os ouvidos "fechados" e sua capacidade de falar ao telefone, (presenciei uma vez, na farmácia, se não me engano) ouvindo por outras partes do corpo. Eu lamento que esse fenômeno seja tão pouco divulgado na história da cidade.